As grávidas e o cinto de segurança

 

Quando uma mulher engravida lembra-se que terá que adquirir novas roupas, mais adequadas à sua barriga que cresce. As grávidas passam a necessitar de usar um calçado mais confortável, pois o seu peso aumenta e os pés incham.

Lembra-se que passará a dispor de estacionamento específico em determinados parques de estacionamento e atendimento prioritário. E a questão da mobilidade? Como será a relação com o automóvel e com o elemento primordial da segurança automóvel, o cinto de segurança? Saiba mais aqui.

A legislação em Portugal sobre a gravidez e o cinto de segurança

Em Portugal está convencionada a obrigatoriedade da utilização deste acessório de segurança no Regulamento de Utilização de Acessórios de Segurança, na Portaria nº 311-A/2005, de 24 de Março.

Nesta norma não existe nenhuma menção de qualquer exclusão que decrete um estatuto especial para as grávidas. Nem as dissocia da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança durante as viagens de automóvel. No entanto, abre, no seu artigo 5º, algumas exceções.

Para tal e como está previsto no Código da Estrada, que quem possua um atestado médico isentando a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, devido a razões graves de saúde, pode não o usar.

Assim, se o médico considerar prejudicial o uso do cinto de segurança, na gestação do bebé, deverá passar um atestado que indique isto mesmo. Essa informação deverá chegar à entidade responsável pelo processamento da questão, neste caso o IMT.

Ressalvo que este tipo de atestado é apenas passado em casos de gravidez de risco ou outros casos muito excecionais. Casos esses em que o médico considere que o dispositivo de segurança expõe o individuo a perigos elevados.

Como colocar o cinto quando está grávida

A colocação do cinto deverá ser sempre cuidadosa, mas quando está grávida o cuidado deverá ser redobrado. A colocação e a “utilização” deste elemento de segurança não deverá magoar nem a grávida nem o bebé. Afinal os sistemas de segurança servem para proteger quem os utiliza.

A parte superior do cinto de segurança deve passar no centro do ombro, entre o peito e ficar de lado na barriga. Quanto à faixa inferior, deverá ser colocada tão baixa quanto for possível, evitando a pressão direta sobre o abdómen.

Por uma questão de segurança, a altura do cinto deve também ser regulada. Um artifício perigoso que algumas pessoas com o abdómen dilatado usam é sentar-se sobre a faixa direita do cinto. Nunca o faça, corre o risco de ficar enforcado na parte superior do cinto.

As grávidas devem usar sempre o cinto de 3 pontos. As versões de 2 pontos, geralmente presentes na parte traseira do carro na posição ao meio, são mais perigosas para a grávida e bebé. Face ao exposto a grávida deve usar cinto de segurança, mas seguindo à risca as indicações da sua colocação. Só assim garantirá a segurança do feto, estando também protegida em caso de embate.

O airgab e a gravidez

Uma grande dúvida é se o despoletar do airbag representa, ou não, perigo para a criança e para a futura mãe. Os airbags, deste que utilize o cinto corretamente como descrito em cima, não serão um problema.

No momento do disparo do airbag a zona que este protege é a zona da cabeça. Sendo esta a afetada quando existe o despoletar deste elemento de segurança. Por afetada entenda-se protegida. Além do uso do cinto de segurança deverá estar a uma distância mínima de cerca de 25 cm do airbag. Esta distância serve para dar tempo ao airbag de inflar totalmente antes da cabeça o atingir.

Esta é uma chamada de atenção para quem conduz extremamente próximo do volante. Esta posição quase sobre o volante é especialmente usada por senhoras. Trata-se de uma posição perigosa, além do incremento da dificuldade de manobrar.

Outras dicas para as futuras mães

Quando a barriga começa a ganhar maior volume exigem-se alguns cuidados extra. A partir do terceiro trimestre de gestação será aconselhável que a gestante, quando for passageira, opte por viajar nos bancos traseiros.

Esta sugestão serve para relembrar que não é só à mesa que a grávida necessitará de mais espaço. Lembre-se também de recalcular as distâncias e consequentes tempos de viagens pois aumenta a frequência das idas à casa de banho.

O principal objetivo deste artigo é não colocar em perigo a segurança da mamã ou do bebé. Esta foi a maior motivação para partirmos à descoberta da forma de como a grávida pode usar cinto de segurança. Viaje sempre sem em segurança.

in:circulaseguro