Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O tempo de reação na condução

Na condução e de uma forma simples designa-se por tempo de reação o tempo que decorre entre a perceção, ou identificação, de um perigo e o momento em que o condutor inicia uma ação, acionando o respetivo comando do veículo.

A condução

Entende-se por tarefa de condução aquela que tem como principal objetivo o controlo de um veículo. Este controlo é feito com o intuito de o manter numa determinada trajetória, para que seja possível realizar um percurso de um local a outro.

Esta viagem realiza-se num ambiente que contém outros utilizadores deste mesmo sistema e que, por este facto, se altera constantemente segundo a orientação de regras que podem ser explícitas ou implícitas, formalizadas ou de cariz informal.

Durante esta tarefa o condutor está constantemente a receber informações, quer do ambiente rodoviário quer do interior do seu veículo, processa-as, decide e age em conformidade. A condução é muitas vezes descrita como uma tarefa complexa e dinâmica.

Assim, a complexidade reside no facto de exigir por parte do condutor uma adaptação sensoriomotora contínua. Esta serve para controlar o veículo e tomar decisões com base nas ações dos diferentes elementos que compõem o sistema rodoviário.

Este seu cariz dinâmico justifica-se pelo facto de os diversos elementos que constituem o sistema em que esta tarefa se integra estarem em constante alteração. Mudando de lugar, número, forma e até mesmo alterando o modo de comunicação entre si.

Tempo de reação

Embora os condutores tenham a sensação de reagir instantaneamente, de facto, entre o “ver” e o “agir” decorre, num condutor em situações e condições normais, o tempo aproximado de 3/4 de segundo a 1 segundo.

Este é o tempo necessário para detetar o estímulo através dos sentidos (na condução o sentido mais utilizado é a visão e depois a audição), identificá-lo, analisá-lo e decidir qual a resposta mais adequada. depois dá-se início da concretização dessa resposta. No entanto importa diferenciar, desde já, tempo de reação e ato reflexo.

Existem estímulos aos quais respondemos sem previamente terem sido percecionados, é a chamada resposta reflexa. Contrariamente ao que é comum pensar-se, a esmagadora maioria das ações de resposta a uma dada situação de trânsito não são respostas reflexas. É, portanto, falso dizer que alguém é um ótimo condutor só porque tem bons reflexos.

O tempo de reação que depende, essencialmente:

• Do estado físico e psicológico do condutor;

• Da complexidade do estímulo percebido e da presença simultânea de vários estímulos. Quanto mais complexo for o estímulo percebido maior será o tempo de reação assim como este aumentará na presença de vários estímulos concomitantes;

• Das experiências similares já vividas pelo indivíduo. Se os estímulos identificados já forem “familiares” o tempo de reação poderá ser menor. Tenha em atenção que este fator é dos mais importantes na condução e pode ser influenciado negativamente por diversos fatores.

Os fatores que afetam o tempo de reação

Vejamos alguns dos principais fatores inerentes aos condutores, os chamados fatores internos ou intrínsecos, que levam à degradação da capacidade de reagir e consequente ao aumento do tempo de reação:

• A presença de álcool no sangue que decorre da ingestão de bebidas alcoólicas. O aumento do tempo de reação é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de álcool no sangue;

• O estado de fadiga e de sonolência;

• A “toma” de alguns medicamentos que atuam a nível do sistema nervoso como anti psicóticos, ansiolíticos, hipnóticos, sedativos, antidepressivos e outros psicotrópicos, Assim como vários medicamentos de venda livre, considerados geralmente inócuos, como analgésicos, xaropes antitússicos, anti-histamínicos, antigripais, etc., muitas vezes automedicados;

• Estados de doença e estados emocionais fortes como o stress, a tristeza, a euforia, a preocupação, etc.;

• A progressão da idade;

• O uso de telemóvel durante a condução.

Tipos de reação

Além do tempo de reação e dos diversos fatores que degradam essa resposta por parte do condutor, existem ainda diferentes formas de reagir. Abaixo pode consultar os tipos de reação que um condutor pode ter:

• Reflexas; quando não existe análise ou decisão, apenas uma reação muscular a um estímulo nervoso. Estas podem demorar cerca de 0,2 segundos;

• Simples; quando o indivíduo responde a um estímulo externo, sem refletir acerca da ação a tomar. Esta reação pode demorar entre 0,3 e 0,5 segundos;

• Complexa; quando, respondendo a um estímulo exterior, o indivíduo analisa diversas opções e toma uma decisão. Pode demorar entre 0,4 a mais de 1,5 segundos;

• Múltipla; quando se juntam várias ações/reações a um ou vários estímulos simultâneos. Pode demorar entre 0,5 a mais de 1,5 segundos.

Mas é normal que pessoas diferentes tenham tempos de reação diferentes. Saiba que o maior perigo sobrevém da variação do tempo de reação na mesma pessoa. Mas varia por efeito de diversos fatores como os que atrás se referiram. E esse perigo aumenta, especialmente, quando não existe consciência dessas alterações.

Fonte | ANSR e IMT

in:circulaseguro